#MarçoAzulMarinho Câncer colorretal: sintomas, diagnóstico e tratamento

#MarçoAzulMarinho Câncer colorretal: sintomas, diagnóstico e tratamento
#MarçoAzulMarinho – câncer colorretal: sintomas, diagnóstico e tratamento

A campanha Março Azul Marinho tem como principal objetivo conscientizar as pessoas sobre o câncer colorretal, que afeta uma parte do intestino grosso e, em alguns casos, o reto e o ânus. Por esse motivo, ele também pode ser chamado de câncer de cóloncâncer de reto ou câncer de intestino, dependendo da área que atinge.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA),há mais de 40 mil novos casos desse tipo de câncer anualmente. Essa neoplasia afeta igualmente os homens e as mulheres. Para apoiar a campanha Março Azul Marinho e incentivar a conscientização, criamos esse artigo. Continue lendo para saber o que é o câncer colorretal, quais são suas causas e seus sintomas, sua forma de diagnóstico e os possíveis tratamentos.
O que é o câncer colorretal e qual sua causa?
câncer colorretal, como já falado, abrange todos os tumores que se desenvolvem na parte do intestino grosso que se chama cólon, bem como no reto e no ânus. De acordo com o Ministério da Saúde, entre 95% e 98% dos casos dessa doença são originados em pólipos adenomatosos.
Esses pólipos são tumores benignos que podem ser encontrados no sistema gastrointestinal, mas que podem sofrer malignização com o tempo. Na maioria dos casos, esses tumores se originam em tecidos que são formados em células que secretam substâncias para o organismo, chamadas de glândulas epiteliais secretoras. Por esse motivo, é comum encontrar o termo adenocarcinoma quando falamos sobre câncer de cólon.
O que torna os tumores malignos?
Não há apenas um fator que torna os tumores benignos do sistema digestivo em câncer colorretal. Os principais fatores que aumentam esse risco são:
  • idade;
  • sobrepeso;
  • alimentação com poucas frutas e vegetais;
  • tabagismo e consumo de bebida alcoólica;
  • consumo excessivo de carnes processadas, como linguiça, presunto, bacon, peito de peru, salame e salsicha, e
  • ingestão acima de 500 gramas de carne vermelha por semana.
Além desses hábitos, há questões hereditárias, sendo que os pacientes com casos de câncer do intestino na família têm mais propensão a desenvolver essa neoplasia. O histórico pessoal também pode influenciar. Pessoas que já tiveram câncer de ovário, útero, mama ou de intestino também têm mais predisposição à doença.
Outros fatores que podem influenciar são as doenças inflamatórias do intestino, como a Doença de Crohn, e a exposição à radiação ionizante, sendo essencial que os profissionais que trabalham com raio-X e gama façam a prevenção e exames de check-up de forma constante.
Quais são os sintomas do câncer do cólon e do reto?
Os principais sintomas de câncer colorretal são:
  • dor abdominal;
  • alterações no hábito intestinal;
  • perda de peso sem nenhum motivo aparente;
  • dor retal e
  • presença de sangue nas fezes.
Vale ressaltar que esses mesmos sintomas podem estar presentes em outros problemas do sistema digestivo, como no caso das hemorroidas, de infecção por parasitas e úlceras. Por isso, ao senti-los é fundamental procurar a ajuda médica para ter o diagnóstico correto e iniciar o tratamento mais recomendado para o caso.
É importante entender que, em todos os casos, quanto mais tempo se levar para procurar um médico, mais séria a doença ficará. Ao ver sangue nas fezes e sentir dor no reto ou abdome, agende uma consulta com urgência com um clínico geral, coloproctologista ou gastroenterologista para investigação.

Como é feito o diagnóstico?
Ao desconfiar que um paciente tem câncer colorretal, o médico pedirá um exame para avaliar se há sangue nas fezes, o que muitas vezes não é visível ao olho nu. No caso de confirmação ou se houver suspeita ainda assim, realiza-se uma colonoscopia, um exame onde um dispositivo é inserido no ânus para visualizar o intestino grosso e, se houver, seus tumores.
Prevenção
Organização Mundial da Saúde recomenda que todos os pacientes com mais de 50 anos realizem o rastreamento do câncer do intestino por meio dos mesmos exames citados acima. Isso é ainda mais importante para aqueles que têm predisposição a desenvolver essa doença, conforme quadro abaixo:

Fonte: Elaboração INCA com base na U.S. Preventive Services Task Force, 2016.

Como é feito o tratamento do câncer colorretal?
De acordo com o INCA, o câncer de reto e do cólon são tratáveis e frequentemente curáveis. O método de tratamento depende diretamente do tamanho, da localização e da extensão do tumor. Nos casos em que ocorre metástase, quando os tumores se espalham para outros órgãos, as chances de cura ficam reduzidas.
Entre as principais opções de tratamento, podemos citar:
  • cirurgia: remoção dos tumores e de toda a parte afetada;
  • radioterapia: usa de radiação para eliminar os tumores. Normalmente é recomendada para tumores localizados no reto antes ou depois da cirurgia, a fim de auxiliar no combate ao tumor;
  • quimioterapia: pode ser aliada à radioterapia após a cirurgia para evitar o retorno do tumor.
Lembramos novamente que apenas um oncologista poderá auxiliar o paciente a escolher o tratamento mais recomendado para cada caso. Gostou de saber mais sobre o câncer colorretal e quer mais dicas para prevenir neoplasias e cuidar da sua saúde? Então, nos siga no Facebook e no Instagram.
Publicado por:
Com foco no paciente, a Vence Onco foi fundada em 2018 pela união de médicos oncologistas que compartilham de uma mesma missão: prestar acolhimento médico baseado na empatia e humanização.